Suplementação de vitaminas na gestação

Suplementação de vitaminas na gestação

26 de novembro de 2019 0 Por ABC Design Brasil

Durante a gravidez a mulher passa por diversas transformações no seu metabolismo. Mudanças hormonais, no aporte sanguíneo e até na anatomia do corpo podem fazer com que a futura mamãe necessite da suplementação de vitaminas na gestação. Mas você sabe quais são esses nutrientes e a importância de cada um deles? Acompanhe para entender melhor.

A importância das vitaminas na gestação

O ideal sempre é ter uma dieta rica em nutrientes para satisfazer qualquer necessidade nutritiva. Contúdo, em um momento tão especial na vida da mulher, a ingestão inadequada e insuficiente de algum composto essencial pode afetar o bem-estar da mãe e até mesmo o desenvolvimento do bebê.

De acordo com os especialistas, a suplementação só é necessária caso a gestante já tenha deficiência de algum nutriente ou não possua uma alimentação balanceada. As exceções mencionadas por esses profissionais incluem o ferro, o ácido fólico e o cálcio. Em alguns casos também é necessário realizar suplementações de magnésio e vitaminas B6 e B12.

Entretanto, como a alimentação saudável ainda não é comumente difundida, a maioria dos obstetras indica a suplementação durante o pré-natal. Nesse sentido, em cada fase da gestação uma determinada vitamina pode ser recomendada pelo seu médico.

Por esse motivo, é essencial realizar um acompanhamento com um obstetra de confiança, que identifique se há alguma carência nutricional e indique a suplementação somente quando necessário, já que o excesso de vitaminas pode ser tóxico tanto para a mãe quanto para o bebê. O apoio de um nutricionista também pode ser muito bem-vindo, já que são profissionais qualificados para indicar uma dieta adequada para as futuras mamães.

Se você deseja saber mais sobre o papel das vitaminas em cada etapa da gestação, leia a lista abaixo.

Quais são as vitaminas importantes durante a gravidez, quando utilizá-las e em qual período da gestação

Ácido fólico

O ácido fólico é muito importante para a formação neural dos bebês e também para evitar o parto prematuro e o descolamento de placenta. Além disso, estudos relatam que sua ingestão reduz o risco de problemas comportamentais na infância, inclusive o autismo.

Há fortes indícios de que essa vitamina necessite ser suplementada mesmo com uma alimentação balanceada. Dessa forma, é recomendado que seja administrada 3 meses antes de engravidar até a 13ª semana, na quantidade de 600 mcg por dia.

Ferro

O ferro é essencial para reduzir as chances de nascimento prematuro e de bebês com baixo peso, além disso está envolvido na redução dos riscos de morte materna no pós-parto, na resistência às possíveis infecções e também na capacidade de aprendizagem da criança no futuro.

É recomendado ingerir 60 mg por dia durante o último trimestre de gestação, independente da alimentação da gestante.

Cálcio

O cálcio está envolvido na formação óssea do bebê e também na produção de leite materno. Sua ausência no organismo pode causar a perda da densidade óssea na mulher e  prejudicar o desenvolvimento normal da criança. Deve ser suplementado no segundo e terceiro trimestres de gestação, na quantidade de 100 a 150 mg por dia.

Vitamina B6

A vitamina B6 previne a malformação fetal e também está relacionada a regulações hormonais na mamãe, reduzindo os desconfortos referentes aos enjoos. Pode ser indicada caso haja alguma deficiência e deve ser ingerida durante o primeiro e segundo trimestres, na quantidade de 30 mg por dia.

Vitamina B12

A ingestão de vitamina B12 reduz os riscos de doenças metabólicas e do diabetes tipo 2 no bebê, além de prevenir o baixo peso ao nascer e o colesterol alto. É uma suplementação necessária principalmente para as grávidas veganas e vegetarianas, devendo ser ingerida na dosagem de 3,5 mcg por dia durante toda a gravidez.

Magnésio

O magnésio na gravidez reduz os riscos da pré-eclâmpsia, parto prematuro, sofrimento fetal e atrasos no desenvolvimento intrauterino. Deve ser administrado a partir do segundo semestre, caso haja deficiências, na dose de 200 mg por dia.

Iodo

O iodo é importante na produção dos hormônios tireoidianos no bebê e sua ausência pode ocasionar distúrbios cognitivos na criança. Seu consumo deve ser de 250 mcg durante a gestação, sendo reposto principalmente no primeiro trimestre da gravidez em mães que possuem problemas relacionados aos hormônios da tireoide.

Ômega 3

O ômega 3 tem demonstrado sua importância no desenvolvimento da inteligência infantil. Também está envolvido na formação do sistema nervoso e das estruturas oculares. Além disso, reduz o risco de parto prematuro e baixo peso ao nascer. A suplementação ainda causa muita polêmica entre os estudiosos, porém, quando recomendada, a dose é de 500 mg por dia no terceiro trimestre de gestação.

Vitamina D

Apesar de a suplementação de vitamina D não ser consenso entre os médicos, suas doses ideais são muito importantes, pois é através dela que será feita a regulação do metabolismo do cálcio e fósforo, essenciais para o desenvolvimento dos sintomas imunológico, muscular e nervoso do bebê.

Alguns estudos comprovam que a suplementação dessa vitamina pode reduzir os riscos de pré-eclâmpsia e partos prematuros. A dose recomendada é de 15 mcg por dia no segundo e terceiro trimestres.

Zinco

O zinco é essencial para formação de tecidos do bebê e também para produção das células de DNA. É importante no crescimento e desenvolvimento da criança dentro do útero. Gestantes necessitam de 19 mg por dia e só é recomendado em contextos específicos.

Vitamina C

É importante na absorção de ferro e na produção dos tecidos no bebê. Entretanto, seu uso em excesso está relacionado a maiores riscos de pré-eclâmpsia e parto prematuro. Por esse motivo, a suplementação só deve ser indicada após investigação.

Vitamina A

A vitamina A é essencial para a formação de diversos tecidos do bebê. Deve ser recomendada em casos de deficiência ou quando a mãe possui determinadas doenças como o HIV. Nessas situações, os níveis deverão ser avaliados e dosados conforme cada condição.

Agora que você já sabe a importância das vitaminas na gestação e como usá-las nesse período, não deixe de acessar o nosso blog e encontrar outras dicas para ter uma gravidez mais leve e consciente.