Introdução alimentar: tipos, desafio e rotina

Introdução alimentar: tipos, desafio e rotina

23 de setembro de 2019 0 Por ABC Design Brasil

Ao completar seis meses e demonstrar todos os sinais de aptidão o bebê, que antes se alimentava exclusivamente de leite materno ou fórmula láctea, necessita iniciar a alimentação complementar. Essa etapa de apresentação dos alimentos é chamada de introdução alimentar.

A introdução alimentar consiste em oferecer de forma gradual e lenta os alimentos aos bebês após estarem aptos. Para isso, há diversos métodos que possibilitam uma atuação mais passiva ou ativa da criança enquanto se alimenta. Veja abaixo quais são os principais.

Principais métodos de introdução alimentar

Tradicional

É a famosa papinha, oferecida amassada para o bebê. Nesse método é comum o uso de purês e sopas. É importante destacar que não é recomendado processar os alimentos no liquidificador e nem peneirá-los, todos devem ser amassados com o garfo e oferecidos dessa forma para a criança.

BLW

A sigla significa Desmame Guiado pelo Bebê e é uma das metodologias que mais tem ganhado adeptos ultimamente. O método se refere a oferecer os alimentos em pedaços para que o bebê explore e venha ingerir o que lhe for conveniente. A maior vantagem desse tipo de introdução alimentar é a melhor aceitação da criança, proporcionando maior autonomia ao bebê.

BLISS

É bastante similar ao BLW e inclui algumas normas para garantir os nutrientes necessários do alimento oferecido. A sigla significa Introdução de Sólidos Guiada pelo Bebê e é baseada em uma série de recomendações quanto à preparação e oferta do alimento com o objetivo de aumentar a absorção de ferro e outros nutrientes, além de reduzir os riscos de falhas no crescimento.

Participativa

Nessa metodologia, o bebê é ativo na alimentação. Porém, o adulto se mantém presente como um intermediador do processo. Dessa forma, a alimentação é assistida pelo cuidador, mas as preferências do bebê são mantidas.

Maiores desafios da introdução alimentar

A recusa alimentar é um dos mais frequentes desafios que os pais precisam enfrentar durante a introdução alimentar. O bebê, ainda acostumado a ingerir somente leite, começa a explorar novos alimentos, o que nem sempre é agradável. Uma dica importante é permitir que a criança brinque com o alimento e conheça a sua textura, tornando essa fase mais agradável.

É importante destacar que a comida nesse período é uma alimentação complementar. O leite materno ainda é o principal alimento para o bebê até um ano. Por isso, não se preocupe caso o seu filho não aceite de imediato a nova alimentação. O objetivo é apresentar ao bebê um novo modo de se alimentar e não substituir por completo o leite materno ou fórmula.

O controle dessas expectativas também é um grande desafio para os pais. Informar-se sobre o assunto é uma das maneiras de minimizar esses anseios. Outro fator relacionado à ansiedade dos pais é esperar pelo tempo adequado para a introdução alimentar. Introduzir alimentos precocemente pode trazer diversos riscos à saúde do bebê, já que a maturidade renal e digestiva só está completa em torno dos seis meses.

Quando a introdução alimentar e de líquidos deve ser iniciada?

A introdução alimentar deve ser iniciada aos seis meses. Entretanto, há outros sinais demonstrados pela criança de que ela já está preparada para esse momento. Dentre eles, é importante mencionar a capacidade de se sentar sem apoio, a autonomia para levar objetos até a boca, o ato de demonstrar interesse pelo alimento e a redução do reflexo de protrusão de língua que os bebês possuem desde recém-nascidos.

Com a introdução alimentar, a água também pode ser oferecida. Contudo, o consumo de sucos naturais só é recomendado após o primeiro ano de vida.

Como deve ser a rotina alimentar da criança?

Bebês alimentados com leite materno devem começar se alimentando com três refeições diárias no sexto mês de vida, além do aleitamento em livre demanda. Sendo assim, o recomendado são duas refeições de frutas e uma principal que contenha ao menos um cereal, uma hortaliça, uma leguminosa e uma proteína. No sétimo mês, mais um prato salgado deve ser adicionado, completando quatro refeições diárias.

Para bebês que utilizam fórmula, o mesmo procedimento é recomendado. Porém, a fórmula não deve ser oferecida próxima às refeições para que não haja prejuízos com relação à absorção de ferro.

A introdução alimentar é mais um momento de descoberta e aprendizado para o bebê. Por isso, é importante que os pais estejam informados e utilizem o método que for mais atrativo para a criança, possibilitando que ela explore e conheça uma nova maneira de se alimentar.

Fique por dentro de todas as nossas novidades através de nossas redes sociais também.