Afinal, qual é a importância do pré-natal?

Afinal, qual é a importância do pré-natal?

10 de outubro de 2018 0 Por Rock Content

Muitas gestantes não conhecem a importância do pré-natal. É preciso desmistificar a ideia de que esse procedimento não é tão essencial quanto parece, pois, na verdade, é sim.

O pré-natal é um acompanhamento médico que toda grávida deve fazer durante toda a gestação, desde o momento do descobrimento da gravidez até alguns dias antes do previsto para o parto.

Para isso, são feitas consultas e exames, ao menos, seis vezes durante o período gestacional, para que o obstetra possa acompanhar o desenvolvimento do bebê. No entanto, muitas mulheres ainda não dão a devida atenção para essa supervisão médica.

Então, para que você entenda o quanto o pré-natal é fundamental, continue a sua leitura, confira os benefícios desse acompanhamento e o que é feito durante as consultas!

Reduz o risco de complicações na gravidez

Mesmo quando não classificada como gravidez de risco, a mulher pode sofrer algumas complicações ou situações que, se não tratadas, podem desencadear má formação fetal e, até mesmo, o parto prematuro. Isso pode acontecer com uma infecção urinária não interrompida, por exemplo.

A importância do pré-natal está na detecção de complicações ou possíveis patologias que podem acometer tanto a mãe como o feto, que impedem o desenvolvimento saudável do seu bebê. Para isso, o conhecimento e diagnóstico prévio é fundamental.

Esse acompanhamento é feito, geralmente, com uma consulta a cada quatro semanas até que a gestação complete por volta de 34 semanas.

Após isso, com mais ou menos 36 semanas, as visitas costumam ser marcadas a cada duas semanas. Depois das 40 semanas, por estar tão próximo ao parto, o acompanhamento poderá ser feito a cada dois ou três dias, dependendo do seu quadro.

Para reduzir o risco de complicações e analisar se o feto ou a mãe estão saudáveis, durante as consultas, serão feitos:

  • exames de aferição da pressão arterial,
  • ultrassonografias,
  • pesagem da mãe,
  • batimentos do coração do bebê — a partir de 14 semanas —
  • medição do tamanho da sua barriga e
  • exames de toque para conferir se já há dilatação (feito somente nas últimas semanas de gestação).

Além disso, poderão ser solicitados exames mais específicos, como:

  • hemograma;
  • glicose e jejum;
  • exames de sangue para hepatite, HIV, rubéola e toxoplasmose;
  • exame de urina;
  • exame de urocultura;
  • papanicolau.

A anemia é uma condição comum de acontecer durante a gravidez, mas se não tratada e diagnóstica no início, pode gerar situações mais sérias, como atraso no crescimento do feto. A importância do pré-natal também está em reduzir os riscos de complicações mais graves, como a pré-eclâmpsia — que pode levar à morte do seu bebê.

Indica dietas saudáveis e seguras

Muitas mulheres ainda acreditam no mito de que a grávida deve comer por dois, o que é um grande erro. Por outro lado, também é prejudicial à sua gestação fazer dietas restritivas ou sem acompanhamento médico.

Daí surge outro fator de importância do pré-natal: a indicação de uma alimentação segura e saudável, tanto para você quanto para o seu bebê.

Uma alimentação repleta de gorduras, frituras, alimentos pesados e pobres em nutrientes pode gerar o ganho de peso durante e após o período gestacional, além de complicações durante a gestação.

Já uma dieta pobre em vitaminas, fibras e altamente restritiva pode causar a deficiência de nutrientes importantes para o desenvolvimento do seu bebê e também doenças — como a anemia, que já mencionamos.

Durante o pré-natal, o médico obstetra indicará dietas seguras, saudáveis e alimentos mais indicados para o seu consumo. Para isso, o profissional poderá solicitar alguns exames que vão apontar as necessidades do seu organismo, podendo, até mesmo, indicador suplementos vitamínicos.

Entretanto, é importante salientar que qualquer tipo de medicação somente deve ser tomada com o conhecimento prévio de um médico de confiança. Além disso, o obstetra fará algumas restrições importantes, como cortar o uso de cigarros e bebidas alcoólicas — que podem causar a morte do feto e complicações graves no desenvolvimento do seu filho.

A alimentação na gravidez deve ser balanceada e rica em frutas, verduras, legumes e alimentos que tenham boas quantidades de ácido fólico, para garantir a adequada formação do sistema nervoso do bebê e, também, para evitar o risco de sobrepeso, diabetes e hipertensão, por exemplo.

Controla condições preexistentes

Existem algumas condições que a mulher já tem antes de engravidar, como a diabetes e hipertensão. A importância do pré-natal também pode ser percebida nesses casos, já que a falta de controle pode agravar o quadro da gestante e do bebê.

A diabetes, por exemplo, é uma condição que atinge cerca de 205 milhões de mulheres no Brasil, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde). Ela é uma doença caracterizada pela elevação nos níveis de glicose no sangue.

Normalmente, quando a mãe tem diabetes preexiste, já é considerada como uma gravidez de risco, uma vez que essa condição aumenta o risco de morte fetal e incidência de problemas cardíacos no bebê.

Já a hipertensão é uma das causas da pré-eclâmpsia, que é definida como um distúrbio na pressão arterial que pode ser identificado após a 20ª semana de gestação. Essa condição pode levar a um parto prematuro, descolamento da placenta, ataque cardíaco e aumento nas chances de você desenvolver a pré-eclâmpsia em uma segunda gravidez.

Além dos casos preexistentes, há aqueles que são desenvolvidos durante a gravidez, conhecidos como hipertensão e diabetes gestacionais. Nesses casos, o pré-natal é um fator decisivo no desenvolvimento e na manutenção da sua saúde e de seu bebê.

Vale ressaltar que é fundamental procurar um profissional de confiança para que você se sinta segura e confortável durante os exames e consultas. Para isso, pedir a indicação de amigas e familiares é uma dica muito válida.

A importância do pré-natal precisa ser percebida pelas futuras mamães antes mesmo de descobrir que está grávida, ou seja, desde que o casal comece a tentar ter um filho. O acompanhamento médico regular é um ato de amor com você e seu filho, já que por meio dele será possível manter a saúde e desenvolvimento adequado de ambos, gerando assim, uma criança forte e saudável.

Viu como o pré-natal é essencial na redução de riscos e complicações? Para se aprofundar no assunto, confira o que é uma gravidez de risco e quais condições são consideradas para esse diagnóstico.