Confira já o calendário de vacinas do bebê

Confira já o calendário de vacinas do bebê

14 de novembro de 2018 0 Por ABC Design Brasil

Você se preocupa com a saúde do bebê e quer saber de todos os cuidados que precisa ter para que ele cresça bem? Então fique de olho no calendário de vacinas de bebê para garantir que o desenvolvimento do seu filho seja saudável e livre de doenças que podem comprometer toda a vida dele.

Sabe como a vacina funciona? Ela age estimulando e fortalecendo o sistema imunológico para que o organismo tenha a capacidade de combater vírus e bactérias prejudiciais à saúde.

Infelizmente, algumas famílias e pais não entendem a importância de vacinar os filhos e até mesmo têm medo dos efeitos dessa imunização. No entanto, as vacinas passam por inúmeras pesquisas e testes até chegarem de maneira segura à população.

Já que a vacinação é tão importante para o crescimento do seu pequeno, leia este post e saiba quais vacinas estão disponíveis na rede pública ou só de maneira privada e confira um checklist do calendário de vacinação infantil. Vamos lá?

BCG

A primeira vacina do recém-nascido é a Bacilo Camette-Guérin (BCG). Ela é indicada para a proteção contra a tuberculose e é encontrada na rede privada e pública de saúde.

A tuberculose é uma doença grave causada por uma bactéria. A transmissão acontece de maneira direta, ou seja, por meio de espirro, tosse ou gotas de saliva de uma pessoa infectada. Como os bebês ainda são sensíveis e têm a imunidade bem fraquinha, a tuberculose os afeta de maneira agressiva.

A vacina contra essa doença, a BCG, é caracterizada por uma pequena cicatriz que fica no local da aplicação. Contudo, não há com o que se preocupar, pois essa vacina não traz nenhum dano à saúde do seu pequeno, muito pelo contrário.

Essa pequena ferida deve ser lavada na hora do banho, mas não pode ser abafada com curativos nem se deve tirar a casquinha quando surgir. Entretanto, se até os seis meses essa marquinha ainda não tiver aparecido, será necessário repetir a dose.

Hepatite B

No calendário de vacinas de bebê, também está a primeira dose de proteção contra a Hepatite B. Essa imunização é feita até 12 horas após o nascimento e pode ser encontrada tanto na rede pública quanto na privada.

A hepatite é uma doença altamente contagiosa que pode ser transmitida para o recém-nascido durante o parto em razão do contato com o sangue da mãe infectada. Essa vacina pode provocar um pouco de febre, mas essa febre somente deve ser combatida se o pediatra indicar algum antitérmico.

Pentavalente

Aos dois meses de vida, o seu pequeno deverá tomar a vacina Pentavalente, que é uma união da Tetravalente, proteção contra a coqueluche, meningite, tétano e difteria, com a vacina de Hepatite B. Dessa maneira, é necessária somente uma injeção, que também é encontrada em rede pública e privada.

A bactéria que causa essas doenças atinge fortemente crianças de até 5 anos de idade, causando infecções que aparecem primeiro na garganta e no nariz e depois podem evoluir e se espalhar para os ouvidos, pulmões, membranas do coração, articulações, cérebro e medula espinhal.

Viu como uma simples agulhinha pode salvar a vida do seu pequeno?

Poliomielite

No calendário de vacinas de bebê, é preciso se programar para, dentro dos dois meses de vida, a primeira dose da poliomielite. Essa imunização é trivalente — protege contra mais de um tipo de vírus — e utilizada para que a criança não desenvolva a paralisia. Desde de 2012, as duas doses da vacina devem ser tomadas antes das gotinhas, que será a terceira dose.

A poliomielite é uma doença infecciosa que não tem cura. Ela é caracterizada pela paralisia de diversos músculos em crianças e adultos. Em consequência, há perda permanente do movimento em uma das pernas e incapacidade de engolir. Assim como as vacinações acima, essa também está disponível na rede pública e privada.

Rotavírus humano

O Brasil foi o primeiro país a declarar como obrigatória no calendário de vacina do bebê a aplicação da rotavírus humano, por indicação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Essa doença é causada pelo vírus rotavírus. Os sinais comuns dessa patologia são as infecções gastrointestinais, que causam, principalmente, vômitos e diarreias graves. O contágio se dá de maneira oral e fecal. Daí a importância de sempre higienizar as mãos do pequeno e de quem for tocar nele.

Após a aplicação, que pode ser feita na rede pública e privada, é aconselhável separar as fraldas usadas em sacos de lixo diferentes dos demais, para que não corra o risco de entrar em contato com o restante da família.

Alguns efeitos colaterais são normais, como a diarreia e vômitos e, nesses casos, é recomendado levar o bebê até um hospital para que ele não venha a ter desidratação. Além disso, é importante lembrar que a primeira dose é dada aos dois meses de idade e a segunda aos quatro meses.

Pneumocócica

A vacina pneumocócica é aplicada para proteger os recém-nascidos contra as bactérias pneumococo, causadoras de meningite, sinusite bacteriana, otite aguda e pneumonia. Devem ser administradas três doses que estão disponíveis em rede pública e privada de saúde.

A primeira injeção é aos dois meses de vida, a segunda aos quatro, a terceira aos seis meses e o reforço é aplicado aos 12 meses de idade. A transmissão se dá de indivíduo para indivíduo e principalmente em locais fechados. Em virtude disso, o risco aumenta em creches.

Meningocócica C

Já no terceiro mês de vida, é preciso levar o bebê na rede pública ou privada para tomar a primeira dose da vacina meningocócica C. A bactéria meningococo C é a responsável por causar a meningite em crianças de até 4 anos de idade, acarretando inflamação nas membranas que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.

A contaminação se dá por meio de secreções expelidas na tosse e espirro por pessoas contaminadas e também por beijos. Por isso, os médicos recomendam que, antes de tocar no bebê, todas as pessoas, principalmente as visitas, higienizem as mãos. Outra precaução é que as mães não assoprem a papinha para esfriar, pois há uma cultura de bactérias que vivem na boca adulta.

Após a aplicação da vacina, podem surgir algumas reações, como dor local e febre. Se isso acontecer com o seu filho, é indicada a administração de antitérmicos sugeridos por um pediatra e compressas frias.

Febre amarela

No calendário de vacinas de bebê, encontramos uma doença que já é bem conhecida, a febre amarela. Ela somente deve ser administrada a partir do nono mês de idade em crianças que moram em áreas de risco ou que vão viajar para locais com casos da doença.

A febre amarela é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo transmissor da dengue. Os sintomas envolvem fortes dores musculares, fadiga, vômitos, fraqueza e calafrios. A forma mais grave da doença é caracterizada pela coloração amarelada da pele e do branco dos olhos, hemorragia nos órgãos internos e morte.

Então, fique de olho no calendário e mantenha as vacinas do seu filhote em dia! Assim como as demais, essa imunização também pode ser feita tanto na rede pública quanto na privada.

Além de ficar atento ao cartão de vacinas e ao acompanhamento médico, é importante que você entenda como são feitas as doses e os reforços. O calendário de vacinação é organizado da seguinte maneira:

  • aos 4 meses de idade são repetidas todas as vacinas do segundo mês;
  • aos 5 meses são repetidas as vacinas aplicadas no terceiro mês de vida;
  • aos 6 meses de idade são reaplicadas as imunizações dos 2 e 4 meses, exceto o rotavírus humano e a poliomielite (o reforço da polio é por meio da gotinha).

Manter o calendário de vacinas de bebê em dia é um ato de amor que protege a saúde e a vida do seu pequeno, permitindo que ele cresça e se desenvolva adequadamente. Portanto, fique de olho nas idades e nas doses indicadas para que não deixe nenhuma delas passar em branco.

Além das vacinas, você sabia que a qualidade do sono também influencia no desenvolvimento do seu bebê? Saiba mais sobre os benefícios das noites de sono para o seu pequeno!