Afinal, quando trocar o bebê conforto pela cadeirinha?

Afinal, quando trocar o bebê conforto pela cadeirinha?

21 de junho de 2019 0 Por ABC Design Brasil

Você sabe o momento certo para trocar o bebê conforto pela cadeirinha? Ambos os equipamentos são obrigatórios para preservar a segurança do seu filho no trânsito. O primeiro deve ser usado desde o nascimento, já que é especialmente desenvolvido para acomodar os recém-nascidos, por isso, costuma ser adquirido com o enxoval.

Porém, a dúvida surge em relação ao momento para comprar a cadeirinha. É mãe de primeira viagem ou sempre teve dúvidas sobre o assunto? Então, continue a leitura para aprender quando fazer essa troca e saber quais medidas de segurança devem ser adotadas!

Qual a idade ideal para trocar o bebê conforto?

O bebê conforto é um dispositivo de segurança em formato de concha, para que o recém-nascido fique confortável e seguro. Ele deve ser o primeiro equipamento utilizado, ou seja, desde o nascimento. Para isso, precisa ser instalado a um ângulo de 45º de inclinação, sempre obedecendo sua forma e lados.

De acordo com a resolução n.º 277/2008 do COTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), as crianças com até um ano de idade devem, obrigatoriamente, ser transportadas em bebê conforto e de costas para o motorista. Nas outras idades, são necessários outros tipos de equipamentos.

Cadeirinha

O CONTRAN também determina que as crianças entre 1 e 4 anos precisam usar a cadeirinha adequada, de acordo com seu peso e altura. A cadeira deve estar voltada para a frente e em posição vertical, preferencialmente no centro do banco.

O peso máximo e a altura variam de acordo com o modelo escolhido, então, tenha atenção a essas informações no momento da compra. As principais diferenças estão na estrutura e na finalidade de uso. Ela não é feita para ser utilizada fora do veículo, como acontece com o bebê conforto.

Booster

Já as crianças entre 4 e 7 anos e meio devem ser transportadas no assento de elevação (booster).

A diferença entre as cadeiras é que a sua estrutura tem o objetivo de deixar a criança em altura apropriada para usar o cinto de segurança do veículo, ou seja, ela não conta com cintos próprios como a cadeirinha ou bebê conforto.

Finalmente, a lei permite que as crianças maiores de 7 anos e meio circulem no assento traseiro do carro, sem elevação. Para sentar no banco da frente, a idade mínima é 10 anos.

Desse modo, a troca do bebê conforto deve ser feita quando a criança ultrapassar 1 ano de idade ou quando a cabeça estiver próxima de atingir o topo do equipamento.

Além disso, no momento da compra, devem ser levados em consideração a idade e o peso da criança, para que a substituição seja feita adequadamente e de acordo com as normas que são previstas no código de trânsito brasileiro e pelo INMETRO.

O que considerar para escolher a cadeirinha?

Antes de trocar o bebê conforto, é preciso escolher a cadeirinha certa para o tamanho e peso do seu filho. Para isso, não deixe de aliar os preços à qualidade do produto.

Na ABC Design, por exemplo, você encontra o modelo RISUS com o valor acessível e certificações do INMETRO. Confira também alguns fatores que você deve avaliar antes da compra!

Cinto de cinco pontos

A cadeirinha ideal deve contar com o cinto do tipo cinco pontos, para que a criança tenha uma maior área de proteção. Nesse modelo, dois pontos são presos acima do ombro, dois nas laterais próxima ao quadril e um entre as pernas do seu filho.

Reclinação

Alguns modelos não têm a função de reclinar. Esse ponto merece atenção, pois quando a criança dorme, a cabeça tende a pender para frente — isso pode causar um grande desconforto ou dores no pescoço.

Manuseio

A cadeirinha não deve ter o cinto de fácil abertura para a criança, senão corre o risco de o seu filho sair do equipamento com o carro em movimento. Sendo assim, verifique a acessibilidade e a segurança que o modelo disponibiliza.

Base

Dependendo do fabricante e modelo, o equipamento vem com uma base para que possa ser fixado no carro, tornando a colocação e retirada da cadeirinha mais prática, principalmente quando houver a necessidade de trocá-la de um veículo para outro.

Proteção lateral

O SIP (Side Impact Protection ou proteção contra impacto lateral) refere-se à lateral produzida com material mais resistente, com o objetivo de ser mais confiável, caso ocorra uma colisão.

Como adaptar o bebê na cadeirinha?

Algumas crianças são mais resistentes à mudanças e alterações no ambiente. Pode ser que o seu filho comece a chorar ao ser colocado na cadeirinha ou faça birra para não ficar sentado. Para facilitar esse processo de adaptação, aqui vão algumas dicas:

  • veja se o tamanho da cadeirinha é adequado para seu filho;
  • use os ajustes de pescoço;
  • instale corretamente o equipamento;
  • use o espelho retrovisor correspondente ao lado que a cadeirinha está. Assim, o bebê poderá ver você e ficará mais seguro e tranquilo;
  • prefira colocar roupas leves, para que a criança fique mais confortável;
  • coloque músicas e sons que o seu filho gosta, para distraí-lo;
  • dê os brinquedos preferidos enquanto ele estiver na cadeirinha;
  • tente conversar e interagir com um tom de voz bem tranquilo e calmo;
  • transforme o momento de ir para o equipamento em algo bem alegre. Você pode brincar, cantar e rir, para que a criança não fique muito tensa.

Como colocar o bebê conforto e a cadeirinha corretamente?

O bebê conforto deve ficar de costas para a parte da frente do seu carro, ou seja, seu filho precisa estar voltado para a frente do assento. Após isso, basta passar o cinto de segurança e prender nas guias.

Lembre-se que o afivelamento deve ser feito, primeiro, nas guias centrais, seguindo o sentido de fora para dentro e, depois, afivelado. Em seguida, faça um tensionamento para verificar se está bem preso.

instalação dos equipamentos requer muita atenção, pois se feita de maneira errada, pode gerar acidentes e não protegerá a criança. Portanto, a cadeirinha deve ser colocada voltada para a frente do veículo.

As tiras da cadeira precisam ficar presas ao bebê. Para isso, coloque-as por cima dos ombros, mas com cerca de um dedo de distância do corpo.

Alguns modelos de carro vêm equipados com âncoras inferiores nos assentos, e você pode utilizá-las para fixar o equipamento do bebê.

Se esse não for o caso do seu veículo, consulte o manual do fabricante da cadeirinha para ver a maneira correta de fechar o cinto de segurança (já que cada modelo pode apresentar especificidades diferentes).

Após colocar o dispositivo no assento, fixe-o firmemente. É importante que a base do banco do veículo esteja nivelada, de modo a evitar que a cabeça da criança flua para frente. Depois, basta conectar a correia de amarração.

Para colocar a criança, certifique-se de que as costas dela estejam niveladas contra o assento, sem afundar ou arquear. Retire qualquer tipo de nó ou torções do cinto. Ajuste, mas não aperte muitos as correias. Por fim, nivele o grampo do peito com as axilas, para que não machuque.

Quais as melhores práticas para transportar crianças com segurança?

Além de saber o momento certo de trocar o bebê conforto pela cadeirinha e instalá-los corretamente, existem outras medidas que podem ser adotadas para aumentar a segurança da criança no veículo. Veja só!

Tenha atenção às travas das portas e janelas

Deixe as portas sempre travadas, as janelas fechadas e cuide para que o acesso seja liberado apenas pelo motorista. As crianças são curiosas, então é comum que elas mexam nos dispositivos do carro, mas isso pode causar acidentes. Mantendo as travas ativas, você impede essas ocorrências.

Invista em um espelho retrovisor

Outro cuidado importante é comprar um espelho retrovisor interno, que pode ser ajustado nos locais mais adequados para que você tenha uma visão completa da criança no banco traseiro.

Use sempre o cinto de segurança

Sempre que transportar a criança, use o cinto de segurança do veículo e do equipamento. Utilizar apenas o cinto da cadeirinha ou do bebê conforto, por exemplo, não é suficiente para proteger, pois os equipamentos podem se movimentar dentro do carro.

Além disso, muitas pessoas associam os riscos do trânsito apenas aos bancos frontais e deixam de exigir o uso do cinto de segurança nos bancos traseiros, principalmente quando o trajeto é apenas dentro da cidade. Porém, além de ser uma infração de trânsito, isso também coloca a criança em perigo.

Observe a altura da criança

Apesar de a lei prever a obrigatoriedade do uso do booster até os 7 anos e meio, é importante saber que o cinto de segurança é desenvolvido para proteger quem tem mais de 1,45 metro, devido aos pontos de contato com o corpo.

Desse modo, se a criança ainda não atingiu a altura, o ideal é que ela permaneça usando o assento de elevação, mesmo que já tenha cumprido o requisito de idade.

Respeite as normas de trânsito

Finalmente, se o assunto é segurança da criança no veículo, tenha atenção às normas de trânsito. Respeite os limites de velocidade e demais regras para não causar acidentes. A direção defensiva também é fundamental para antecipar ocorrências e evitar colisões.

A troca do bebê conforto requer atenção, pois além de ser necessário atender à legislação, você precisa fazer a alteração na hora certa e escolher uma cadeirinha adequada, de acordo com o tamanho e peso da criança.

Além disso, sempre opte por marcas reconhecidas e fabricantes que tenham a licença do INMETRO.

Gostou deste post? Para conferir outras dicas e garantir a saúde e o bem-estar da criança, aproveite para conhecer as 5 doenças mais comuns na infância e veja como proteger os seus filhos!